Maio Amarelo | Abraciclo é parceira do OBSERVATÓRIO no Movimento Maio Amarelo
20741
post-template-default,single,single-post,postid-20741,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive

Abraciclo é parceira do OBSERVATÓRIO no Movimento Maio Amarelo

Desde 2014, ano em que o Movimento Maio Amarelo foi criado, a Abraciclo – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, está presente no Movimento Maio Amarelo. Em 2018 não será diferente. A Abraciclo, mais uma vez, mostra-se comprometida com a redução de acidentes e, junto ao OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, irá apoiar as ações que visam preservar vidas no trânsito.

De acordo com dados do Sistema Datasus, compilados pelo OBSERVATÓRIO, motociclistas estão envolvidos em 40% dos 38 mil acidentes com mortes registrados em 2015.  “Daí a importância de uma entidade como a Abraciclo estar envolvida diretamente em uma ação de caráter mundial como o Movimento Maio Amarelo. Para nós, trata-se de um importante parceiro que se junta, mais uma vez, ao OBSERVATÓRIO para alertar e conscientizar as pessoas para um trânsito mais seguro. Infelizmente o trânsito brasileiro mata uma pessoa a cada 12 minutos e isso é muito triste. Precisamos, todos, fazer algo para mudar essa realidade tão cruel”, destaca José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO.

“Ao apoiar o programa Maio Amarelo 2018, a Abraciclo dá sequência e amplia suas ações em prol da conscientização e orientação sobre a Segurança no Trânsito, pois entende que a melhor maneira de se reduzir a ocorrência de acidentes é através da educação”, afirma Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo. “O setor de Duas Rodas, representado pela Abraciclo, tem investido seguidamente em ações de pilotagem segura, conscientização e orientação de motociclistas, visando a prevenção aos acidentes de trânsito. Além disso, a indústria do setor desenvolve inovações tecnológicas para oferecer cada vez mais segurança aos veículos, como se pode verificar com a implantação do sistema de frenagem CBS (Combined Braking System), que combina as ações dos freios traseiro e dianteiro, simultaneamente, mesmo que apenas um deles seja acionado, reduzindo a distância de frenagem e assegurando maior estabilidade à motocicleta nesta operação”, complementa.

No Maio Amarelo de 2017, a Abraciclo distribuiu quase um milhão de folhetos educativos em quinze pontos críticos em São Paulo para os motociclistas. A ação abrangente foi realizada em parceria com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e com a Secretaria de Mobilidade e Transportes da Prefeitura de São Paulo.  Outros quatro mil motociclistas passaram pelo MotoCheck-up realizado na Marginal Tietê.

Motociclistas não-habilitados

Recentemente, o OBSERVATÓRIO divulgou o estudo “Condução de motocicletas sem habilitação no Brasil: análises a partir da frota e número de condutores”, que mostra uma diferença de aproximadamente quatro milhões de CNH (Carteira Nacional de Habilitação) a menos, em comparação com o número de motocicletas emplacas. O estudo compara a relação entre condutores habilitados (que possuem CNH) e a frota correspondente em cada Estado. Além disso, o estudo traz ainda que desde o ano 2000, a frota de motocicletas no Brasil aumentou em mais de 13 vezes e esse crescimento expressivo não se deu de forma ordenada.

Para saber mais sobre a pesquisa, acesse: http://www.onsv.org.br/estudo-inedito-revela-falta-de-habilitacao-de-motociclistas-e-consequencias-para-o-transito-no-brasil/

Sem comentários

Escreva um comentário